lição Jovens e Adultos 3º Trimestre 2010

TEMA
 O Ministério Profético na Bíblia 

SUBTÍTULO: 
 a voz de Deus na Terra

AUTOR: 
 Esequias Soares

A profecia é uma prática ancestral que desempenhou um papel fundamental na história do povo de Deus, tanto no Antigo Testamento quanto no Novo Testamento. Desde os tempos bíblicos até os dias atuais, o ministério profético tem sido uma fonte de orientação espiritual e inspiração para milhões de pessoas. Neste artigo, exploraremos diversas facetas desse ministério sagrado, analisando sua natureza, funções sociais e políticas, autenticidade e importância na vida da Igreja.

1: O Ministério Profético no Antigo Testamento

No Antigo Testamento, os profetas eram mensageiros escolhidos por Deus para transmitir Sua vontade e revelação ao povo de Israel. Eles eram intermediários entre Deus e o povo, trazendo palavras de exortação, correção, consolo e direção. Nomes como Isaías, Jeremias, Ezequiel e Daniel são apenas alguns dos profetas que se destacaram nessa época.

2: A Natureza da Atividade Profética

A atividade profética era marcada pela comunicação direta com Deus, por meio de sonhos, visões e revelações. Os profetas falavam em nome do Senhor, buscando transmitir Sua vontade e advertências ao povo. Suas mensagens muitas vezes incluíam avisos sobre o juízo divino devido à desobediência, mas também continham promessas de restauração e esperança.

3: As Funções Sociais e Políticas da Profecia

A profecia não se limitava apenas a questões espirituais; também desempenhava um papel importante na esfera social e política. Os profetas frequentemente denunciavam a injustiça, a opressão e a corrupção dentro da sociedade e da liderança governante. Além disso, eles eram guardiões da aliança entre Deus e Israel, lembrando ao povo de suas obrigações e responsabilidades para com o Criador.

4: Profecia e Misticismo

Embora a profecia envolvesse aspectos místicos, não se confundia com práticas mágicas ou adivinhatórias. A verdadeira profecia baseava-se em um relacionamento íntimo com Deus, uma vida de obediência e uma profunda compreensão da Palavra divina. Enquanto o misticismo poderia se desviar para experiências manipuladoras, a profecia genuína se mantinha alinhada com a vontade e os princípios divinos.

5: A Autenticidade da Profecia

A questão da autenticidade da profecia sempre foi relevante. No Antigo Testamento, a pena de morte era aplicada aos falsos profetas, ressaltando a seriedade desse ministério. A autenticidade da profecia era confirmada pelo cumprimento de suas palavras ao longo do tempo. A Bíblia apresenta muitos exemplos de profecias cumpridas, o que fortalece a crença na verdadeira inspiração divina dos profetas.

6: Profetas Maiores e Menores

A divisão dos profetas em “Maiores” e “Menores” não se refere à importância de suas mensagens, mas à extensão dos livros que eles escreveram. Os Profetas Maiores incluem Isaías, Jeremias, Ezequiel e Daniel, enquanto os Profetas Menores englobam livros mais curtos, como Oséias, Joel, Amós, Obadias, Jonas e outros.

7: Os Falsos Profetas

Assim como havia profetas verdadeiros, também existiam falsos profetas no meio do povo de Israel. Esses falsos profetas falavam de forma enganosa, prometendo paz e prosperidade sem exigir arrependimento ou mudança de vida. A Bíblia adverte sobre os perigos desses indivíduos que buscam explorar a fé das pessoas para seus próprios interesses.

8: João Batista — O Último Profeta do Antigo Pacto

João Batista é considerado o último profeta do Antigo Testamento e o precursor de Jesus Cristo. Sua mensagem de arrependimento preparou o caminho para o Messias e marcou a transição entre o Antigo e o Novo Pacto.

9: Jesus — O Cumprimento Profético do Antigo Pacto

Jesus Cristo é o ápice da profecia no Antigo Testamento. Ele cumpriu inúmeras profecias messiânicas e se apresentou como o Filho de Deus. Sua vida, morte e ressurreição cumpriram as promessas antigas e estabeleceram a base para o Novo Testamento.

10: O Ministério Profético no Novo Testamento

Apesar de João Batista ter sido o último profeta do Antigo Pacto, o Novo Testamento apresenta exemplos de profetas que atuaram na Igreja primitiva. Ágabo e as filhas de Filipe são alguns dos profetas mencionados, que exerciam o dom de profecia para edificação, consolação e exortação dos crentes.

11: O Dom Ministerial de Profeta e o Dom de Profecia

Além do ministério profético, o Novo Testamento menciona os dons de profeta e profecia como parte dos dons espirituais concedidos à Igreja. Enquanto o dom de profecia permite que muitos falem sob a inspiração divina, o dom ministerial de profeta é caracterizado por uma autoridade e chamado específicos para exercer esse ministério.

12: O Tríplice Propósito da Profecia

A profecia tem um tríplice propósito: edificar, exortar e consolar. Ela fortalece a Igreja, encoraja os crentes a permanecerem fiéis a Deus e conforta aqueles que passam por dificuldades.

13: A Missão Profética da Igreja

A missão profética da Igreja continua até os dias atuais. Como representantes de Deus na Terra, os cristãos são chamados a proclamar a verdade, denunciar o pecado, compartilhar o evangelho e ser uma voz de esperança e amor em meio ao mundo.


obs: neste poste
so os tiulos que é de Esequias Soares
os comentários são do PB Ivaldo Fernandes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *