lição Jovens e Adultos 1º Trimestre 2003

TEMA
 O sofrimento dos justos e o seu propósito

AUTOR:
 Claudionor Correa de Andrade

1 – Um homem chamado Jó: 

A história de Jó é uma das mais emblemáticas e enigmáticas narrativas encontradas na Bíblia. Jó era um homem justo e piedoso, descrito como íntegro e temente a Deus. Vivendo em Uz, uma região do Oriente Médio, ele era encorajado com uma família amorosa, riqueza material e respeito na comunidade.

2 – A aparente felicidade de Jó:

 No início da narrativa, Jó vivia em aparência e felicidade aparente. Era um homem indicado com sete filhos, três filhas e possuía uma grande quantidade de gado e outros bens. A sua vida parecia uma manifestação concreta das bênçãos divinas.

3 – As calamidades de Jó: 

No entanto, em uma reviravolta inesperada, Jó causou uma série de calamidades devastadoras. Ele perdeu toda a sua riqueza, seus filhos foram tragados por um desastre terrível, e sua saúde foi sustentada por uma doença dolorosa. Jó se encontrou submerso em profunda aflição e sofrimento.

4 – Adorando a Deus na provação: 

Apesar de todas as adversidades, Jó manteve sua fé inabalável em Deus. Ele não amaldiçoou o Senhor, mas sim se prostrou em adoração, buscando entender o propósito por trás de sua provação. A história de Jó ensina a importância de manter a fé mesmo nos momentos mais sombrios da vida.

5 – Ainda reténs a tua integridade?

 Em meio ao sofrimento, Jó foi questionado por sua esposa e amigos sobre sua integridade e fé. Essa pergunta ecoa através dos séculos, desafiando a fé de muitas pessoas que enfrentam dificuldades e adversidades.

6 – O lugar do Diabo na provação de Jó: 

A história de Jó também suscita questões teológicas sobre o papel de Satanás na vida dos crentes. A tragédia que atingiu Jó foi iniciada por Satanás, que desafiou a Deus quanto à sinceridade da devoção de Jó. Isso levanta a questão do mal no mundo e o conceito de Deus permitindo a provação como uma forma de purificação.

7 – Jó amaldiçoa o dia do seu nascimento:

 No auge do seu sofrimento, Jó amaldiçoou o dia em que nasceu, desejando não ter vindo ao mundo para enfrentar tamanha dor e aflição. Essa expressão de desespero revela uma profunda angústia emocional que Jó estava passando.

8 – Elifaz e a teologia do relacionamento mercantil com Deus:

 Ao longo do livro de Jó, três amigos chamados Elifaz, Bildade e Zofar, vieram consolá-lo. Eles ofereceram interpretações teológicas diversas para o sofrimento de Jó. Elifaz representava a visão de que a tolerante e o sofrimento são o resultado de uma relação de trocas com Deus, ou seja, a crença de que a obedecer a Deus garante recompensas materiais.

9 – Bildade e a Teologia da Prosperidade:

 Bildade defendeu uma perspectiva de retribuição divina, ou seja, que a proteção viria como resultado da justiça e a adversidade seria consequência do pecado. Essa perspectiva se assemelha ao que é conhecido como a Teologia da Prosperidade, popular em alguns círculos religiosos.

10 – Zofar e o perigo do Deísmo:

 Zofar reforçou a visão de que Deus é distante e inescrutável, incitando Jó a aceitar sua situação sem questionar. Essa abordagem se assemelha ao deísmo, que concebe Deus como um ser que criou o mundo, mas não interfere nos assuntos humanos.

11 – Eliú e a Teologia do Sofrimento:

 Eliú, um personagem mais jovem que surgiu durante a história, trouxe uma perspectiva diferente, enfatizando que o sofrimento pode ter propósitos educacionais, levando à transformação e ao crescimento espiritual.

12 – A teologia que mais pergunta que responde: 

A história de Jó não fornece respostas claras e definitivas para o problema do sofrimento humano. Em vez disso, convida os leitores a ponderar questões teológicas complexas, como a justiça divina, o livro-arbítrio e a natureza do mal.

13 – Com Deus, sempre haverá um final feliz: 

O desfecho da história de Jó revela que, no final, Deus restaurou todas as suas perdas. Jó recebeu em dobro tudo o que havia perdido, demonstrando que, apesar das dificuldades, aqueles que perseveram em sua fé e confiança em Deus serão recompensados.

Em conclusão, a história de Jó é uma poderosa lição de fé, perseverança e confiança em Deus, mesmo diante das maiores adversidades. Ela nos desafia a manter nossa integridade e fé inabaláveis ​​em meio às provações da vida, reconhecendo que a sabedoria e os propósitos divinos muitas vezes superam nossa compreensão humana. Independente do sofrimento presente, a esperança de um final feliz permanece ancorada na confiança de que Deus é soberano e misericordioso.


obs: neste poste
so os tiulos que é de Claudionor Correa de Andrade
os comentários são do PB Ivaldo Fernandes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *