Curso de Violão Gratuito




Sumário

 

Introdução  ……………………………………………….

Estrutura musical  …………………….

Cifras ………………………..

Acordes e Escalas  ………………………….

Conhecendo o violão ……………………….

Enfim a prática!  ……………………………….

Formando acordes  …………………………….

Acordes Maiores e
Menores
 ……………………….

Acordes Sustenidos
Maiores e Menores
 ……………..

Acordes com grau ………………………………………………………….

Acordes com sétima  …………………………

Referências
Bibliográficas
 ……………………………….

Introdução

Geralmente as pessoas pulam a introdução e vão ver logo o conteúdo, se você está lendo isto pode ser que realmente você tem grande interesse em aprender a tocar violão e está atrás de todas as informações a respeito. Esta apostila foi então criada com este intuito, de auxiliar nossos irmãos que estão aprendendo a tocar este instrumento. Pois bem, então antes de tudo precisamos entender que qualquer um pode aprender a tocar uma música, mas o que iremos tratar não é a questão apenas da música em si, mas do louvor.

A música mundana é a expressão dos sentimentos do homem, tais falam de decepções, planos frustrados, solidão, revoltas, problemas sociais, paixões humanas, Ilusões, etc. Podem gerar emoção, que também é um sentimento humano.

O louvor é a expressão da alma remida, expressando a gratidão a Deus e a esperança da Eternidade. O louvor é profético, não é simplesmente ‘criado’ pelo homem. Vem do Senhor gerando libertação, consolação, paz, edificação, traduzindo-se em vida. O louvor revelado tem a característica de permanecer através dos tempos (será levado para a eternidade). Cantamos louvores de 1300, 1500 d.C., que ultrapassam gerações com a mesma intensidade de quando foram compostos. Como por exemplo, a segurança de que Martin Lutero tinha em Deus quando compôs “Castelo Forte é o nosso Deus” hoje é entoado com a mesa sintonia.

Então, se o objetivo é aprender a tocar o instrumento basta apenas dedicação na teoria e prática. Mas se o objetivo é a operação do Senhor, a manifestação do Espírito de Deus no tocar, é necessária neste aprendizado a busca ao Senhor, que irá nos auxiliar plantando este diferencial em nossas vidas.

Gosto de dizer logo no inicio uma coisa: Vai ter hora que você poderá querer desistir! (risos). Sério, e nesta situação o que conta é a persistência. Entender teorias musicais no inicio não fará muito sentindo, mas é necessário para quem pretenda se aperfeiçoar futuramente, e sejamos francos, não queremos oferecer ao Senhor apenas o simples, ele merece o melhor de nós.

Teoria sem a prática não serve de nada, viu? Separar uns 15 minutos para treinar notas e ritmos é fundamental!

A apostila é um recurso, não é pra aprender exclusivamente por ela. Surgiu duvidas? Pergunte a outros

instrumentistas, pesquise, compare com outras fontes. Não está entendendo, está com dificuldade? Ore.

Cantai-lhe um cântico novo; tocai bem e com júbilo. Sl 33:3

Notas musicais: É o elemento mínimo de um som, existem 7 notas musicais:

DÓ – RÉ – MI – FÁ – SOL – LÁ – SI

Cada nota musical está relacionada com uma freqüência de som que ouvimos:

 

Nota

Frequência

 Dó

261 Hz

293 Hz

Mi

329 Hz

349 Hz

Sol

391 Hz

La

440 Hz

Si

493 Hz

522 Hz

Veja a tabela a cima, cada nota tem uma freqüência relativa. Acontece que esta freqüência
pode dobrar o valor,e então esta nota repete-se de forma mais aguda4. Por exemplo, o Dó
(261 Hz) em seguida o Dó mais agudo (522 Hz).

Concluímos
assim que cada nota tem seu som mais grave4,
e este som vai dobrando de freqüência ficando mais agudo.

Durante muito tempo estas notas
foram soberanas, porém percebeu-se que havia tons, ou melhor, meio tons entre
uma nota e outra. Assim estas notas receberam o nome de sustenido (#)(quando está a
frente entre uma nota e outra
) ou bemol
(b)(se está atrás entre uma nota e outra):

 

[Subindo]    DÓ – DÓ#
RÉ – RÉ# – MI – FÁ – FÁ#
– SOL – SOL# – LÁ – LÁ#
– SI – DÓ …

 

[Descendo]   
SI –
Sib – LÁ – b – SOL – SOLb – FA – MI – Mib – RÉ – b – DÓ … 

Observações:

 

– Não existem as notas Mi# e Si#,
conseqüentemente não existem também Dób
e Fáb;

1 
Sustenido e bemol são nomes diferentes para mesma nota:

2 
Podemos dizer que a escala geral das notas tem então 12 notas. 

dó #

b

ré #

mi b

fá #

sol b

sol #

b

lá #

si b

1 
Grave e Agudo? – É a principal relação da música, justamente quem determina a
variação de tonalidades das notas. GRAVE é a tonalidade grossa e baixa,
enquanto que AGUDO é o tom alto e fino.

 

AGUDO   ← … dó, dó#, ré, ré#, mi, fá, fá#, sol,
sol#, lá, lá#, si, dó, …→   GRAVE

 

Isto fica fácil de perceber no
teclado: 

Cifras

Cifra é um sistema de notação musical usado
para indicar através de símbolos ou letras
as notas a serem executadas por um instrumento musical. Exemplos: 

Acordes e Escalas

Acorde é o conjunto de duas ou mais notas
musicais. O violão pode ser tocado “cifrado” ou “solado”, quando se toca
“cifrado” é necessário usar os acordes que recebem os mesmos nomes das notas
musicais. Os acordes possuem uma tonalidade MAIOR ou MENOR.

Escala
musical
é uma sequência ordenada de tons por alguma característica. Existem
vários tipos de

escalas, nós vamos estudar duas:
A cromática e a diatônica (de onde irão surgir os nossos acordes).

           Escala cromática: É a escala que
compreende todas a 12 notas: 

C – C# – D – D# – E – F – F# – G – G# – A – A# – B – C

                Na
escala cromática quando avançamos uma
nota
nós dizemos que avançamos meio
(1/2) tom
, quando avançamos duas
notas
dizemos que avançamos um (1)
tom
. Se avançarmos três notas
dizemos que avançamos um tom e meio,
e assim por diante, valendo também para o caso de voltar notas.

Exemplos:
Nota: C  – 
Avançar 1/2 tom: C#     Nota:
E  – 
Avançar 1/2 tom: F

Nota: C  –  Avançar 1 tom: D 
   Nota:
E  – 
Avançar 1 tom: F#

 Nota: C  –  Avançar 1 tom e meio: D# 
   Nota:
E  – 
Avançar 1 tom e meio: G

 

   Escala
diatônica maior
:
é uma escala de oito notas, com cinco intervalos de
tons e dois intervalos de semitons entre as notas. Através delas formamos
acordes maiores:

C 1 tom D 1 tom E meio tom F 1 tom G 1 tom A 1 tom B – meio
tom C

 Assim baseado na escala
cromática, nós vamos avançando a seqüência de tom e meio tons: 

 

 

T

 

T

 

M

 

T

 

T

 

T

 

M

 

C

 

D

 

E

 

F

 

G

 

A

 

B

 

C

D

E

F #

G

A

B

C #

D

E

 

 

 

 

 

 

 

F

 

 

 

 

 

 

 

G

 

 

 

 

 

 

 

A

B

C #

D

E

F #

G #

A

B

 

 

 

 

 

 

 

 

Está em branco de propósito, que tal você completar a escala para as
outras notas? 

Escala
diatônica menor
:
Da mesma forma que a diatônica maior, porém a
disposição dos tons e meios tons é diferente.

 

A 1 tom B meio tom – C 1
tom D 1
tom E meio
tom F 1
tom G – tom
A

 

Assim baseado na escala
cromática, nós vamos avançando a seqüência de tom e meio tons:

                 

 

T

 

M

 

T

 

T

 

M

 

T

 

T

 

C

 

D

 

D #

 

F

 

G

 

G #

 

A #

 

B

D

 

 

 

 

 

 

 

E

 

 

 

 

 

 

 

F

 

 

 

 

 

 

 

G

 

 

 

 

 

 

 

A

B

C

D

E

F

G

A

B

 

 

 

 

 

 

 

 

Não preciso nem dizer né? Vamos
treinar mais um pouco.

 

 

Conhecendo o violão 

 

D

 

E

 

F #

 

G

 

A

 

B

 

C #

 

D

                                  1ª                                 3ª                                   5ª 

Notas para formar o acorde Dm: 

 

D

 

E

 

F

 

G

 

A

 

A #

 

C

 

D

                                  1ª                                 3ª                                   5ª

 

Contudo para
facilitar o estudo na próxima página se encontra os acordes maiores e menores,
e seus sustenidos (ou bemóis).

Observação:
Você deve tá se perguntando, se eu simplesmente 
posso decorar, pra que aprender a formar os acordes? A resposta é: Aperfeiçoamento,
depois que você já estiver tocando e sabendo formar acordes, poderá criar os
acordes que estão na Coletânea cifrada nível II.

(Estes acordes são mais
complexos, e possuem algum grau. Por exemplo: C4, E6, C/B, D°)

Acordes Maiores

(Acordes retirados do site: http://www.cifraclub.com.br/dicionario.acordes)

Acordes Menores 

Cm                  Dm            Em                  Fm                      Gm 

Acordes Sustenidos Maiores 

Acordes com grau 

O grau de uma acorde pode ser
modificando inserindo uma nota correspondente da sua escala. Veja o exemplo da
escala de dó maior:

 

C

 

E

 

E

 

F

 

G

 

A

 

B

 

C

      

                                  1ª                                 3ª                                   5ª

 

      
Para formar o acorde
C4
, acrescentamos a nota F (que
é a 4º nota da escala) no acorde.

      
Para formar o acorde
C9
, acrescentamos a nota E (que
é a 9º nota da escala) no acorde. 

Contudo os
acordes “com sétima” que utilizamos
é a 6ª nota acrescida de meio tom.
Assim sendo, para formar o acorde C7
acrescentamos a nota A# ao acorde.

 

Observação: Quando
acrescentamos a 7ª nota da escala no acorde, formamos então o acorde com sétima
maior, por exemplo o acorde CM7 ou Cmaj7
acrescentamos a nota B ao acorde.

 

Acordes com sétima 

Referências Bibliográficas 

Sites de auxilio:

 

Fotos com os acordes: http://www.mundodoviolao.com.br/acordes/fotosdosacordes/

Afinando o violão: http://www.mundodoviolao.com.br/afinando-o-violao/afinandomanualmente/

É proibida a venda deste
material, Sua distribuição é interna e gratuita 

veja lista de hinos com cifras clic aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *