O LIVRO DE AGEU (FESTIVO)

 

 

Vamos estudar o 10º livro chamado de profetas Menores. Ele é o 15º livro na lista dos livros proféticos. 

O Personagem Ageu.

Sobre o profeta Ageu, ele é citado em Ed 5.1: “E Ageu, profeta, e Zacarias, filho de Ido, profeta, profetizaram aos judeus que estavam em Judá e em Jerusalém; em nome do Deus de Israel lhes profetizaram”. Esdras ainda o cita em 6.14: “E os anciãos dos judeus iam edificando e prosperando pela profecia do profeta Ageu e de Zacarias, filho de Ido; e edificaram a casa e a aperfeiçoaram conforme o mandado do Deus de Israel, e conforme o mandado de Ciro, e de Dario, e de Artaxerxes, rei da Pérsia”.

Quando Ageu entrou em cena, o rei da época fora Dario I, o Grande.

A Enciclopédia Wikipédia traz uma boa informação histórica sobre o rei Dario. Vejamos: “O rei Dario, que ficou conhecido na história por Dario I, o Grande. Segundo o historiador grego Heródoto, Dario subiu ao trono através de golpe de estado, ‘por meio de sortilégio entre os líderes do golpe: antes do amanhecer, cavalgariam, todos juntos, pela planície, em direção ao nascente, e se o cavalo de alguns deles se empinasse e relinchasse no instante em que o sol despontasse no horizonte, isto seria um sinal divino indicando quem deveria ser o imperador’. Por incrível que pareça, o cavalo de Dario empinou-se e relinchou, justamente para o por do sol. Um dado importante: ‘Na cultura persa, o conceito de reino era indissociável do de divindade: a autoridade divina validava o direito divino dos reis’”. O rei Dario reinou na Pérsia entre os anos 521 e 486 a.C.

Stanley Ellisen (Conheça Melhor o ANTIGO TESTAMENTO, p.383) diz que, “embora algumas pessoas acreditem que Ageu tenha vista o primeiro templo antes da destruição (2.3), a tradição judaica sustenta que ele nasceu na Babilonia e estudou sob a orientação de Ezequiel. Evidentemente veio para Jerusalém após o retorno do primeiro grupo de exilados em 537, pois seu nome não consta na lista dos que retornaram (Ed

2.2)”.

Atuação de Ageu.

O profeta Ageu iniciou o último período profético, o chamado período posexílico. O novo tempo é de consolação e restauração. Ele entrou em cena para encorajar os seus conterrâneos. 

A tarefa mais importante de Ageu no encorajamento dos seus compatriotas era a construção do Templo. Ageu reconheceu que sua geração deveria dar prioridade a construção da Casa do Senhor. O Templo era “tudo que Deus representava, exigia e podia fazer por seu povo naquela época que estava por vir” (J. G. Baldwin, Ageu, Zacarias e Malaquias, introdução e comentário, p.22). 

A construção do Templo estava parada havia 15 anos.

Ageu foi o instrumento de Deus para levantar o ânimo do povo, e levar adiante a obra novamente. Esdras falou sobre esta motivação, dizendo que Ageu e Zacarias “profetizaram aos judeus que estavam em Judá e em Jerusalém; em nome do Deus de Israel lhes profetizaram. 2Então, se levantaram Zorobabel, filho de Sealtiel, e Jesua, filho de Jozadaque, e começaram a edificar a Casa de Deus, que está em Jerusalém; e com eles os profetas de Deus, que os ajudavam” (Ed 5.1,2).

O povo que retornou do exílio estava preocupado em construir sua casa própria, deixando em segundo plano a Casa do Senhor. Mas Ageu chamou a atenção para o Templo, que representava a dignidade nacional. O Templo construído era sinônimo de bençãos abundantes, o contrário significava escassez das bênçãos prometidas.  Era trabalhar em vão. A linguagem do povo era: “Não veio ainda o tempo, o tempo em que a Casa do Senhor deve ser edificada” (Ag 1.2). O Senhor Deus responde: “É para vós tempo de habitardes nas vossas casas estucadas, e esta casa há de ficar deserta?” (Ag 1.4).

Havia 15 anos que a construção do Templo estava parada.

A Casa de Deus permanecia em ruínas. O Senhor chamou a atenção do povo fazendo a seguinte reprise: “Ora, pois, assim diz o Senhor dos Exércitos: Considerai o vosso passado. Tendes semeado muito e recolhido pouco; comeis, mas não chega para fartarvos; bebeis, mas não dá para saciar-vos; vestis-vos, mas ninguém se aquece; e o que recebe salário, recebe-o para pô-lo num saquitel furado. Assim diz o Senhor dos Exércitos: Considerai o vosso passado (Ag 1.5-7, ARA).

Após a mensagem divina, por intermédio de Ageu, houve unanimidade de prontidão por parte de todos, desde as autoridades ao homem comum (Ag 1.12-15).

O profeta Ageu fora um embaixador do Senhor. O texto sagrado diz: “Ageu, o embaixador do Senhor, falou ao povo, conforme a mensagem do Senhor, dizendo: Eu sou convosco, diz o Senhor” (Ag 1.13).

Autoria do Livro.

A Bíblia de Estudo Pentecostal afirma que Ageu, “o embaixador do Senhor”, fora o autor do livro que leva o seu nome.

Data do Livro.

Stanley Ellisen diz que a “data em que foi escrito: de 1 de setembro a 24 de dezembro de 520 a.C.”. Ele prossegue, dizendo: “A profecia de Ageu é um dos livros bíblicos com a data mais exata (Ezequiel e Zacarias apresentam datas exatas para muitos textos). Datado do segundo ano do rei Dario Histaspes (521-486), rei da Pérsia, Ageu é o primeiro livro profético a apresentar uma data com base nos reis gentios (com exceção de Daniel)” (Conheça Melhor o ANTIGO TESTAMENTO, p.383).

A Bíblia de Estudo Pentecostal também data o livro em 520 a.C.

Tema do Livro.

A Bíblia de Estudo Pentecostal sugere o tema: “Reedificação do Templo”. Stanley Ellisen sugere o tema: “A benção do Senhor relacionada com a construção do templo (cap. 1)”.

Esboço do Livro.

O esboço que vamos apresentar foi extraído do livro Conheça Melhor o ANTIGO TESTAMENTO (Stanley Ellisen, pp.382,3). Vejamos:

“I. PROPERIDADE DE ISRAEL RELACIONADA COM O templo

(‘Construam o templo, para que eu me alegre’, 1.8 )

  1. Censura por terem negligenciado a contrução do templo (1.1-4)
  2. Resultados de terem negligenciado o templo (1.5-11)
  3. Resolução de reconstruir o templo (1.12-15)
  4. PAZ DE ISRAEL RELACIONADA COM O TEMPLO (2.1-9)

(‘neste lugar estabelecerei a paz’, 2.9)

  1. Glória inadequada no templo atual (2.1-5)
  2. Glória messiânica no templo futuro (2.6-9)
  • PUREZA DE ISRAEL RELACIONADA COM O TEMPLO (2.10-19)

(‘Tudo o que fazem e tudo o que me oferecem é impuro’, 2.14)

  1. Desgraça economica por negligencia no templo (2.10-17)
  2. Benção economica pela construção do templo (2.18,19)
  3. PODER DE ISRAEL RELACIONADO COM O FUTURO DE

ZOROBABEL (2.20-23)

(‘FAREI DE VOCÊ UM ANEL DE SELAR’, 2.23)

  1. Futura destruição dos reinados gentios (2.20-22)
  2. Futura autoridade do reinado de Zorobabel (2.23)”

Comentário do Livro.

Ageu inicia sua mensagem profética repreendendo os que deixaram o Templo do Senhor em ruínas. Havia uma preocupação entre a população de construir suas próprias casas estucadas. Ele mostrou para as autoridades e o povo em geral, que a falta de prosperidade econômica advinha da falta de prioridade dada à reconstrução do Templo. A seca que destruiu toda produção agrícola e pecuária foi gerada por falta de entendimento do povo. A força do trabalho também fora em vão. (Ag 1.1-11).

Quando a população entendera a mensagem do profeta para a reconstrução do Templo, o coração de todos fora revigorado, e as autoridades com o apoio da população se dispuseram a trabalhar. Logo surgiu a mensagem de incentivo da parte de Deus: “Eu sou convosco, diz o Senhor” (Ag 1.13). De repente surgiu um avivamento entre o povo. É o próprio Deus que promove avivamento. Leia Ag 1.12-15.

O capítulo 2

começa com o profeta repreendendo as autoridades e povo em geral por causa do descaso com a obra do segundo Templo. A população tinha a segunda construção como inferior a primeira. O texto sagrado diz: “Quem há entre vós que, tendo ficado, viu esta casa na sua primeira glória? E como a vedes agora? Não é esta como nada em vossos olhos, comparada com aquela?” (2.3).

O Senhor faz uma advertência em viva voz

e ao mesmo tempo motiva a todos, e faz uma retrospectiva histórica, lembrando o que acontecera no Egito, como ele se mantém fiel, para levantar o estado de espírito decaído da população. O Senhor diz: “Ora, pois, esforça-te, Zorobabel, diz o Senhor, e esforça-te, Josué, filho de Jozadaque, sumo sacerdote, e esforçai-vos, todo o povo da terra, diz o Senhor, e trabalhai; porque eu sou convosco, diz o Senhor dos Exércitos, segundo a palavra que concertei convosco, quando saístes do Egito, e o meu Espírito habitava no meio de vós; não temais” (Ag 2.4-6).

Outra repreensão séria do Senhor por meio do profeta Ageu esta na falta de santidade perante o Senhor Deus no cumprimento da palavra de Deus. O que era oferecido a Deus era imundo. Deus diz taxativamente: “e tudo o que ali oferecem imundo é” (Ag 2.14). O Senhor advertiu ao povo que só começasse a trabalhar depois de uma reflexão interior (Ag 2.15).

Para fechar, temos o final do capítulo 2 mostrando a promessa do Senhor de dar vitória ao povo de Deus sobre seus inimigos, e exaltando o líder da nação do Seu povo. Leis Ag 2.20-23.

Objetivo do livro de Ageu: “Fazer os líderes e o povo continuarem a reconstruir o templo destruído, mostrando-lhes que os fracassos nos outros setores da vida eram resultados da negligencia na obra do Senhor” (Conheça Melhor o ANTIGO TESTAMENTO, p.385).

“Há ainda semente no celeiro? Nem a videira, nem a figueira, nem a romeira, nem a oliveira têm dado os seus frutos; mas desde este dia vos abençoarei” (Ag 2.19).

Escola de Teologia – ETAP
Disciplina: LIVROS PROFÉTICOS I E II
Professor: Carlos Alberto Alves

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *