Lição 12 – CRENDO NA GRAÇA DE DEUS

 

DISCIPULADO CICLO 2

DISCIPULADO CICLO 2

MEDITAÇÃO

 “Porque pela graça sois salvos, por meio
da fé; e isso não vem de vós; é dom de Deus”
(Ef 2.8). 

REFLEXÃO BÍBLICA DIÁRIA 
 SEGUNDA-Génesis 3.1-7 
 HERÇA – Romanos 3.23 
 QUARTA – Romanos 3.21-26 
 QUINTA – Romarias 5.1-11 
 SEXTA – Efésios 2.1-22 
 SÃBADG – Romanos 6.1-11

TEXTO BIBUCO BASE

1 – E vos vivificou; estando vos mortos em
ofensas e pecados. 
2 – em que noutro tempo, andastes, segundo
o curso deste mundo, segundo o príncipe
das potestades do ar; do espirito que. agora,
opera nos filhos da desobediência’ 
3 – entre as quais todos nos também, antes.
andávamos nos desejos da nossa carne,
fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira.
como os outros também. 
4 – Mas Deus. que é riquíssimo em misericórdia
pelo seu muito amor com que nos amou, 
5-estando nós ainda mortos em nossas ofensas
nos vivificou juntamente com Cristo (pela
graça sois salvos), 
6 – e nos ressuscitou juntamente com: ele, e
nos. fez assentar nos lugares celestiais, em
Cristo Jesus; 
7 – para mostrar nos séculos vindouras as
abundantes riquezas da sua graça, pela sua
benignidade para conosco em Cristo Jesus, 
8 – Porque pela graça sois salvos, por meio da
fé; e isso não vem de vós; é dom de Deus.
9 – Não vem das obras, para que ninguém se
glorie. 
10 – Porque somos feitura sua criados em Cristo
Jesus para as boas obras, as quais Deus
preparou para que andássemos nelas.

INTERAGINDO COM O ALUNO 

Caro professor, a doutrina da Graça de
Deus é uma das verdades mais gloriosas das criaturas. A convicção de que não há nada na
pessoa humana capaz de preencher o vazio da
alma, restabelecera nossa ligação com Deus,
de nos dá o sentido último da vida e de saber
que só Deus é capaz de fazer esse milagre em
nós, mostra-nos o quão infinito é o amor do
Todo-Poderoso por nós. 
   A doutrina da Graça apresenta-nos o misericordioso Deus que estava em Jesus Cristo
reconciliando o mundo consigo mesmo (2 Co
5.19). Por isso, apresentar ao novo convertido
a doutrina da Graça de Deus é conceder-lhe
autonomia no exercício da sua fé e o privilégio
de saber que não há nada que pode separá-lo
do amor de Deus (Rm 8.33-39).

OBJETIVOS
sua aula devera alcançar seguintes objetivos 
1 Esclarecer que a salvação é fruto da
exclusiva Graça de Deus. 
2 Ressaltar a verdade da Graça de Deus
sobre nós mesmos e o glorioso Deus. 
3 Conscientizar que a Graça de Deus é
um dom para se viver em boas obras. 

PROPOSTA PEDAGÓGICA 

Professor, inicie a presente aula lendo o
seguinte versículo: “ Porque pela graça sois
salvos, por meio da fé; e isso não vem de vós;
é dom de Deus” (Ef 2.8). Por intermédio do
Espírito Santo, Deus age em nós para sermos convencidos da seriedade do problema
pecado que procura nos dominar. Além de
agir para que reconheçamos a gravidade do
pecado que opera em nós, o Pai tem interesse
que cheguemos a certeza de que somente a
sua graça é poderosa para nos tirar das garras
do pecado (Rm 5). Faça essa reflexão com o
seu aluno, mostrando que se hoje ele está
firme com Cristo é porque um dia o nosso
Deus dispensou a maravilhosa graça sobre a
sua vida. Além de nos salvar pelo ato da sua
graça, o nosso Deus preparou as boas obras
para que andássemos por ela. Incentive o seu
aluno a praticaras boas obras, explicando que
elas não salvam ninguém, mas que se trata do
fruto da graça de Deus e que, por isso, dá um
poderoso testemunho do crente diante da sociedade e mostra o quanto fomos alcançados
pela verdade de Deus – a sua infinita graça. Só
a graça de Deus basta-nos. Somente a graça
divina é poderosa para preencher o vazio da
alma. Graças a Deus pela sua Graça! Graça
tão grandiosa, graça de Deus por nós!

 INTRODUÇÃO 

“Creio no perdão dos pecados.” Cremos
na Graça de Deus, uma das doutrinas da fé
cristã mais confortantes para a nossa alma.
Saber que fomos perdoados por Deus por
intermédio de Cristo Jesus, através do seu
sacrifício vicário, constrange-nos a não nos
ensoberbecermos, pois se fôssemos jugados
segundo as nossas ações, mereceríamos a
condenação mais rigorosa possível. Mas é peia
graça de Deus que fomos salvos. Pela graça
Ele nos justificou, redimiu e nos fez “assentar
nos lugares celestiais”, isto é, podemos nos
achegar a Deus sem medo, sem constrangimento. Ele é o nosso Pai e na força do Espírito
Santo somos coerdeiros com Cristo. 

1. A SALVAÇÃO É FRUTO DA
GRAÇA DE DEUS 
   1.1. O engano da autojustificação.
Nas religiões pagãs, as pessoas precisam
praticar uma série de rituais em relação ao
seu próprio corpo, apresentar oferendas e
cum prir uma agenda religiosa a fim de se
autojustificar. Sacerdotes e líderes dessas
religiões, a partir desse ativismo religioso,
determinam quem será ou não salvo, como
se eles tivessem a capacidade de lançar
pessoas no inferno ou tirá-las de lá. 
    1.2. A salvação é pela graça de Deus
(vv.1,5).
O nosso texto bíblico base deixa
claro que, em matéria de salvação, legislar
sobre isso não pertence à lógica humana.
Segundo Efésios 2 versículos 1 a 10, a remissão dos nossos pecados foi uma iniciativa de
Deus por intermédio de Jesus Cristo: “ E vos
vivificou, estando vós mortos em ofensas e
pecados” (v.1). Estávamos mortos em nossos pecados e, por iniciativa dEle e apenas
dEle, nos vivificou, isto é, tornou a nos dar
vida, redimiu e ressuscitou para a verdadeira
vida: “estando nós ainda mortos em nossas
ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo
(pela graça sois salvos) e nos ressuscitou juntamente com ele, e nos fez assentar nos
lugares celestiais, em Cristo Jesus” (vv.5,6).
Pela graça somos salvos por Deus! 
    1.3. Ninguém pode legislar sobre
a salvação.
Esse e muitos outros textos
da Bíblia nos mostram que a salvação é
um ato da graça de Deus (Rm 5.12-21;
cf. 1.16,17). Favor imerecido! De modo que ser
humano algum pode determinar quem é ou
não salvo. Legislar sobre isso cabe somente a
Deus. Se a graça alcançou você, não permita
que tirem essa segurança do seu coração
(cf. Cl 2.4-23). 

 AUXÍLIO DIDÁTICO 1 
Caro professor, quando nós falamos da
Graça de Deus, inevitavelmente, chegaremos
ao tema da eleição divina. Como a graça de
Deus nos alcançou? A graça de Deus é arbitrária sem levar em conta a responsabilidade
humana? Qualquer estudo sobre a eleição divina tem de partir obrigatoriamente da Pessoa
de Jesus. Em Jesus não achamos qualquer
particularidade de eleger alguns e deixar outros de fora como resultado de uma escolha
arbitrária antes da fundação do mundo. A
escolha de Deus se deu em Jesus (Ef 1.4; Rm
8.29). Nele a salvação é oferecida a todos (2
Pe 3.9; cf. Mt 11.28), e, pela sua presciência,
o nosso Senhor sabe quem há de ser salvo ou
não. Mas a escolha de Deus não é arbitrária,
Ele leva em conta a volição humana, pois é
um dom dEle mesmo à humanidade. Assim,
não esvaziamos a soberania de Deus e a sua
Graça. Pelo contrário, afirmamos a sua soberania, pois Deus escolheu fazer um homem
autônomo e responsável por sua conduta.
Afirmamos também que a graça de Deus opera, restaurando a capacidade do homem de se
arrepender e crer no Evangelho. Infelizmente,
muitas pessoas resistem aos apelos do Espírito Santo (1 Tm 4.1,2; Mt 12.31,32), resistem a
Graça de Deus, resistem o Salvador!

2. A GRAÇA DE DEUS TRAZ O
VERDADEIRO CONHECIMENTO 

    2.1. De quem nós éramos (v.2,3). A
(jraça de Deus revela-nos que éramos pessoas
oscravas dos nossos sentimentos egoístas e
mesquinhas. Pois, “andávamos nos desejos
da nossa carne […] e dos pensamentos; e
éramos por natureza filhos da ira” (v.3). O
ser humano, por si só, tem uma inclinação
para o mal. A graça de Deus conscientizados disso com vigor. Nenhum ser humano se
rende a tal verdade se a graça de Deus não
o impactar, pois quem, em sã consciência,
assumirá: “ Sou mesquinho” ; “ Sou m al” ;
“ Maquinei o mal contra o próximo”; “Odeio
você”. Só a maravilhosa Graça de Deus encoraja-nos a isso! 
    2,2. Da misericórdia de Deus (v.4,6).
Se a graça nos mostra quem somos, por
outro lado, ela revela-nos quem é Deus. Um
Deus misericordioso, amoroso e que deseja
salvar todos os seres humanos (1 Tm 2.3-5).
Um Deus revelado em Jesus Cristo, como o
Pai que ama os seus filhos e não deseja que nenhum se perca. Deus é misericordioso!
Deus é amoroso! Deus é Pai!
   2.3. Um chamado para proclamar
“as abundantes riquezas da sua graça”
(v.7).
A graça de Deus nos conscientiza do
que somos e quem Deus é. Mas também
nos chama a proclamar a sua riqueza para
a humanidade. A operação desse dom de
Deus não se limita a nós. Ele quer que todos
se salvem! Portanto, uma obrigação nos é
imposta: “mostrar nos séculos vindouros as
abundantes riquezas da sua graça, pela sua
benignidade para conosco em Cristo Jesus”.
Por isso, Ele nos vivificou juntamente com
Cristo e nos ressuscitou com Ele e nos fez
assentar nos lugares celestiais em Cristo
Jesus, quando estávamos ainda mortos em
nossas ofensas (vv.5,6). “ Pela graça sois
salvos” ! 

 AUXÍLIO TEOLÓGICO 2
 “A salvação pela graça, através da fé em
cristo (Ef 2.4-10). A ação redentora e cheia de
amor de Deus é apresentada nesta seção
com forte contraste em relação ao destino
desesperado da humanidade pecadora sob
a ira do mesmo Deus em 2.1-3. em termos
empolgantes e impetuosos, Paulo faz o
contraste da situação em que seus leitores
estavam ‘antes’ (2.3), sem Cristo, e aquela
em que estão agora, em Cristo; aquilo que
‘todos nós’ (2.3a) somos ‘por natureza’(2.3d) e aquilo que somos ‘pela graça’ (2.5,8); a razão da ira de Deus (2.3) e a iniciativa do amor
de Deus (2.4); a realidade espiritual de que
‘estávamos mortos’ (2.1), mas que Deus ‘nos
vivificou juntamente com Cristo’ (2.5); o fato
de estarmos irremediavelmente atolados na
lama do pecado, como escravos de Satanás (2.2,3), mas que Deus ‘nos ressuscitou
juntamente com Ele, e nos fez assentar nos
lugares celestiais, em Cristo Jesus’ (2.6) em
uma posição de honra e poder, esses contrastes irão trazer glória a deus ‘nos séculos
vindouros’ (2.7).

   O verso 4 revela grande valor que Deus
atribui à humanidade pecadora. Estando
nós ainda mortos em nossas transgressões
e pecados, Deus ainda assim nos amava e
nos vivificou juntamente com Cristo. Ele nos
observava em nossa morte (pessoas mortas
não podem se levantar); por ser ‘riquíssimo
em misericórdia’ (2.4; cf. Êx 34.6; SI 103.8;
Jn 4.2; Mq 7.18) e pelo seu ‘muito’ e não
‘grande’; e se refere à infinita abundância
do amor de Deus, e não ao seu tamanho (cf.
3.17-19). Dessa forma, Paulo corajosamente
afirma nos versos 5 e 8 que ‘pela graça sois
salvos’. Nenhuma pessoa poderia, por esforço próprio, ou por seu mérito ou boas obras,
esperar escapar da morte do pecado (2.1),
da armadilha do mundo, do Diabo, da carne
(2.2,3), ou da ira de Deus (2.3). Ao contrário,
somos salvos pela iniciativa de Deus, que
na riqueza de sua misericórdia e na abundância de seu amor escolheu justificar-nos
‘gratuitamente pela sua graça, pela redenção
que há em Cristo Jesus’ (Rm 3.24)” (ADAMS,
J. W esley; STAMPS, D onald. Efésios.
In ARRINGTON, French L.; STRONSTAD,
Roger (Eds.). Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. 2.ed. Rio de Janeiro:
CPAD, 2004, pp.1214-15).

3. A GRAÇA É 0 DOM DE DEUS
PARA VIVER EM BOAS OBRAS 

   3.1. Graça é “dom” de Deus (v.8). No
versículo 8 do nosso texto bíblico base, o
apóstolo Paulo reitera mais uma vez: “ Porque
pela graça sois salvos […] e isso não vem de
vós; é dom de Deus”. Não pode haver dúvida
quanto a isso. A salvação é dom de Deus! Um
presente que Ele nos deu. Uma prova também
que devemos depender inteiramente dEle.
Nunca deposite uma confiança demasiada
no ser humano. Este erra, é imperfeito e pode
nos decepcionar. Mas o Deus Trino não nos
decepciona. Ele nos conhece por dentro e
por fora. Tudo vem dEle pela graça! 
   3.2. Não vem de nós mesmos para
não nos ensoberbecermos (v.9).
Sem fazer
muito esforço, o ser humano tem a tendência
de tornar-se soberbo. Imagine se a salvação
fosse pelos próprios méritos? Por isso, o
apóstolo disse que a salvação “não vem das
obras, para que ninguém se glorie”. É fácil nos
gloriarmos, pois somos frágeis nesse sentido!
E habitamos em meio a pessoas que caem
nesse pecado, muitas vezes, sem saber que
caíram. Mas a Palavra continua nos falando:
que o mérito é de Deus! A graça é dEle! 
     3.3. Um chamado para viver em boas
obras (v.10).
Não fomos salvos pelas boas
obras, mas somos salvos para praticá-las.
Isso é tão sério que as Escrituras mostram
que algumas pessoas podem questionar a
nossa posição de salvos em Deus se não
apresentarmos obras dignas de arrependimento (Lc 3.7-14; cf. Tg 2.14-19; 1 Jo 2.7-11).
“ Então, o que seria praticar boas obras?” —
Você pode perguntar. Poderíamos começar
por jamais tornarmo-nos soberbos; amar
a nossa família; suprir a necessidade das
pessoas que estão perto ou longe, de acordo
com a nossa condição; ser sensíveis à dor e
às necessidades do próximo, fazendo o bem
como gostaríamos que fizessem conosco (Mt7.12; cf. Ef 5.6 -9 ).

AUXÍLIO DIDÁTICO 3 

“ Estaremos interpretando mal a Paulo
se uma vida de virtudes tiver sido esquecida e a graça se tornar uma desculpa para
pecar, segundo a falsa concepção de que
se os cristãos descuidadamente pecarem,
sua falta somente dará maior oportunidade
para que a graça de Deus se manifeste. A
resposta de Paulo a essa interpretação da
graça foi: ‘De modo nenhum!’ (Rm 6.2) F.F.
Bruce afirma que ‘Aqueles que continuam a
‘andar’ em transgressões e pecados, que
caracterizam um estado de ausência de
regeneração, mostram que não são obra de
Deus, quaisquer que sejam as declarações
que possam fazer’.
Dessa forma, em Efésios 2.10, Paulo se
refere às boas como indispensáveis à salvação — ‘não como sua razão ou seus meios,
no entanto, mas como sua [necessária] consequência e evidência. Tito 2.14 apresenta o
melhor comentário: Cristo ‘se deu a si mesmo
por nós, para nos remir de toda a iniquidade
e purificar para sí um povo seu especial, zeloso de boas obras’. Assim como em Cristo
fomos predestinados à adoção (1.4), também
em Cristo fomos predestinados a fazer boas
obras” (ADAMS, J. Wesley; STAMPS, Donald.
Efésios In ARRINGTON, French L.; STRONSTAD, Roger (Eds.). Com entário Bíblico
Pentecostal Novo Testamento. 2.ed. Rio
de Janeiro: CPAD, 2004, p.1217). 

CONCLUSÃO 
A graça de Deus é uma doutrina maravilhosa.
Mostra-nos o que éramos, somos e quem é
Deus, misericordioso, justo e compassivo. Que
a graça de Deus encoraje você a viver uma
vida de verdade em Deus. Com o objetivo de
proclamar a todo o ser humano as riquezas
da sua abundante graça, pois é como nos
diz o coro de um belo cântico: “graça/ graça/
a mim basta a graça de Deus Jesus/ graça/
graça/ a graça eu achei em Jesus”.

VERIFIQUE O SEU
APRENDIZADO

1 . Nas religiões pagãs, como as pessoas
“alcançam” a salvação? 

 As pessoas precisam praticar uma
série de rituais em relação ao próprio corpo,
apresentar oferendas e cumprir uma agenda
religiosa a fim de se autojustificar. 

2 . Por que nenhum ser humano pode legislar
sobre a salvação? 
 Porque a salvação é um ato da graça
de Deus. É favor imerecido! 

3 . Cite os verdadeiros conhecimentos que a
graça de Deus traz a quem recebe. 
 Conhecimento de nós mesmos e da
misericórdia de Deus.
 

4 . Qual o chamado que a Graça de Deus nos
impõe? 
 Proclamar as abundantes riquezas da
sua graça. Pregar o Evangelho a tempo e fora
de tempo. 

5 . O que são as “boas obras”? 
 Em primeiro lugar, não tornarmos
soberbos, amar a nossa família, suprindo a
necessidade de quem está perto ou longe, etc. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *