OS SACRIFÍCIOS NO ANTIGO TESTAMENTO

Os sacrifícios no Antigo Testamento (AT) eram ofertas de animais ou outros bens materiais feitos a Deus como forma de expiação pelos pecados cometidos. Eles eram considerados um meio de aproximação entre Deus e o homem, e tinham um significado profundo para o povo de Israel. Neste artigo, vamos explorar o alcance dos sacrifícios no AT, bem como as teorias erradas sobre a expiação.

A Natureza dos Sacrifícios

Os sacrifícios no AT eram ofertas de animais ou outros bens materiais feitos a Deus como forma de expiação pelos pecados cometidos. Eles eram considerados um meio de aproximação entre Deus e o homem, e tinham um significado profundo para o povo de Israel. Os sacrifícios eram oferecidos como um meio de purificação, para que os pecados dos homens pudessem ser perdoados. Os sacrifícios eram oferecidos como um símbolo de arrependimento e de compromisso com Deus.

O Alcance da Expiação no Antigo Testamento

Os sacrifícios no AT eram considerados como uma forma de expiação pelos pecados cometidos. A expiação era entendida como a remoção dos pecados dos homens, permitindo que eles pudessem se aproximar de Deus. Os sacrifícios eram oferecidos como um meio de purificação, para que os pecados dos homens pudessem ser perdoados. Os sacrifícios eram oferecidos como um símbolo de arrependimento e de compromisso com Deus.

Teorias Erradas Sobre a Expiação

Existem várias teorias erradas sobre a expiação no AT. Essas teorias incluem a teoria da influência moral, a teoria da satisfação, a teoria governamental, a teoria do resgate e a teoria da substituição penal. A seguir, vamos explorar cada uma dessas teorias.

Teoria da Influência Moral

A teoria da influência moral afirma que os sacrifícios no AT eram oferecidos como um meio de influenciar o comportamento moral dos homens. Essa teoria afirma que os sacrifícios eram oferecidos como um meio de influenciar o comportamento moral dos homens, para que eles pudessem se aproximar de Deus.

Teoria da Satisfação (Substituição ou Vicária)

A teoria da satisfação afirma que os sacrifícios no AT eram oferecidos como uma forma de satisfazer a justiça de Deus. Essa teoria afirma que os sacrifícios eram oferecidos como um meio de satisfazer a justiça de Deus, para que os pecados dos homens pudessem ser perdoados.

Teoria Governamental

A teoria governamental afirma que os sacrifícios no AT eram oferecidos como um meio de manter a ordem e a lei divinas. Essa teoria afirma que os sacrifícios eram oferecidos como um meio de manter a ordem e a lei divinas, para que os homens pudessem se aproximar de Deus.

Teoria do Resgate

A teoria do resgate afirma que os sacrifícios no AT eram oferecidos como um meio de libertar os homens do pecado. Essa teoria afirma que os sacrifícios eram oferecidos como um meio de libertar os homens do pecado, para que eles pudessem se aproximar de Deus.

Teoria da Substituição Penal

A teoria da substituição penal afirma que os sacrifícios no AT eram oferecidos como um meio de substituir o castigo pelo pecado. Essa teoria afirma que os sacrifícios eram oferecidos como um meio de substituir o castigo pelo pecado, para que os homens pudessem se aproximar de Deus.

Objeções à Teoria da Substituição

A teoria da substituição penal tem sido objeto de críticas por parte de alguns teólogos. Algumas das principais objeções à teoria da substituição são:

  • A teoria da substituição não explica de forma satisfatória por que Deus exigiu sacrifícios.
  • A teoria da substituição não explica de forma satisfatória como os sacrifícios podem expiar os pecados dos homens.
  • A teoria da substituição não explica de forma satisfatória por que Deus aceitou os sacrifícios dos homens.

Embora a teoria da substituição penal seja uma das principais teorias sobre a expiação no AT, ela tem sido objeto de críticas por parte de alguns teólogos. No entanto, ainda é a teoria mais aceita entre os estudiosos da Bíblia.

por:pb ivaldo fernandes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *